Destaques

“Aterrorizante ver a água subir”, conta moradora de Sinimbu

today02/05/2024 283

Fundo
share close

Lauren Fernandes

As chuvas que assolam o Rio Grande do Sul deixou marcas em Sinimbu. Uma das cidades mais atingidas pelas enchentes, iniciou hoje um trabalho de reconstrução. Os relatos da terça-feira, 30, são muitos, uma vez que ninguém esquece da maior tragédia climática já vista na cidade.

Nesta quinta-feira, 02, pela manhã, dois caminhões, um da Afubra e um do Exército levando mantimentos trouxeram um alento para aqueles que mais precisam. Já na parte da tarde, mais ajudas chegaram na cidade.

Segundo a secretária de saúde, Flávia Schaefer, algumas localidades ainda não possuem acessos, e muitos moradores caminham quilômetros até a Comunidade Evangélica, onde se concentram as doações, em busca de alimentos.

Ainda de acordo com a secretária, existem relatos de famílias que estão com 20 e até 50 pessoas dentro da mesma residência. Ela disse também que trilheiros chegarão na cidade para ajudar a levar mantimentos aos que precisam e que não possuem acesso.

A moradora de Sinimbu Baixo e funcionária do Centro de Aviamentos Rachor, Ani Caroline Muelller, estava limpando o estabelecimento na tarde desta quinta. Em entrevista para a Rádio Santa Cruz, ela relatou que os proprietários, moradores de Rio Pequeno, não conseguem chegar ao local, e ela recém havia conseguido entrar no estabelecimento. “Estamos tentando salvar o que é possível”, conta.

Foto: Centro de Aviamentos. Crédito: Lauren Fernandes

Ao lembrar do cenário vivido na terça, ela disse que até perguntou aos avós se já tinha ocorrido algo parecido em termos de destruição. “Conversando com meus avós, que viveram enchentes passadas, eles me falaram que é a pior enchente da história já vivida”, pontua.

Outro relato muito forte foi de Loana Maiara dos Santos, funcionária da Farmácias Associadas de Sinimbu, que ficou algumas horas presa no local, junto com os colegas Dulceane Haag e Eunizeo Vitalis, e o casal Marcos e Clair Swarowsky. Eles precisaram subir ao segundo andar do local para se proteger.

Foto: Loana. Crédito: Lauren Fernandes

Loana conta que foram até a farmácia levantar os materiais, pois a água estava subindo muito, mas não conseguiram sair. “A gente viu tudo descendo a rua, vimos caixões de uma funerária próxima descerem, vimos a ponte sobre o Rio Pardinho ser tomada pela água. Aterrorizante ver a água subir dessa forma”, recorda.

Loana também usou a quinta-feira para iniciar a limpeza no local, junto com outras pessoas. Ela relembrou o tempo em que ficou presa pela enchente, mas que conseguiu pedir ajuda ao irmão e também a vizinhos. Horas depois, todos foram resgatados com vida, mas o dia nunca mais será esquecido. “infelizmente é um acontecimento que vai ficar para sempre em nossas memórias”, enfatizou.

Por: Lauren Fernandes

Escrito por Jornalismo

Rate it

Post anterior

Clima

Hospital Santa Cruz suspende temporariamente procedimentos e consultas eletivas

Em virtude da situação de chuvas e inundações no Estado e a consequente interdição de estradas de acesso a Santa Cruz do Sul e região, que podem gerar atrasos nas entregas de insumos e medicamentos, o Hospital Santa Cruz (HSC) informa que os procedimentos e consultas eletivas, que são aqueles previamente agendados e que não são considerados de urgência ou emergência, estão suspensos temporariamente a partir desta sexta-feira, dia 3 […]

today02/05/2024 85

Comentários da publicação (0)

Deixe uma resposta

O seu email não vai ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *


Rádio Santa Cruz | Rua Ramiro Barcelos, 737 – Centro | Santa Cruz do Sul – RS / CEP 96810-054

0%