Rio Grande do Sul

Rio Grande do Sul conta com mais de 700 abrigos temporários

today12/05/2024 26

Fundo
share close

Em levantamento realizado pela equipe da Sedes (Secretaria de Desenvolvimento Social) com as secretarias municipais de Assistência Social, foi apurado que 722 abrigos temporários receberam pessoas afetadas pelas enchentes em todo o Estado desde o final de abril, quando os primeiros municípios foram atingidos.

Segundo o titular da Sedes, Beto Fantinel, os números mudam frequentemente conforme o nível da água baixa e as pessoas retornam para suas casas ou quando novas cidades são atingidas. “Os abrigos funcionam conforme a demanda dos atingidos, que varia de forma constante”, explica.

Em outra frente de trabalho, estão sendo levantadas as condições das estruturas e suas necessidades. A ação é uma força tarefa da Sedes com a Secretaria Estadual da Saúde; o Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome; o Ministério da Saúde; a Defesa Civil nacional; a Defesa Civil do RS; e o Unicef (Fundo Internacional de Emergência das Nações Unidas para a Infância).

As equipes iniciaram o mapeamento e a caracterização dos abrigos em funcionamento no Rio Grande do Sul, na sexta-feira (10).

Na primeira amostra, que compreende 96 abrigos, alguns dados são:

47,92% possuem gestantes ou puérperas;
47,17% possuem população indígena ou quilombola;
43,75% possuem migrantes;
91,67% informaram que possuem banheiro funcionais em quantidade suficiente para abrigos emergenciais (1 para cada 25 pessoas);
78,12% informaram que possuem espaços específico para lazer e convivência de crianças e adolescentes;
62,5% possuem cozinha e produção de alimentação no local (as demais recebem marmitas prontas);
58,33% possuem equipes de segurança;
85,42% possuem equipes de saúde;
83,33% possuem equipes de atendimento psicossocial atuando no local.

O responsável por cada local respondeu ao formulário de levantamento de informações aplicado pelas equipes. A pesquisa possibilitará a unificação dos dados, ajudando na inserção dos abrigados em políticas públicas do governo estadual.

O coordenador do Observatório Social da Escola de Desenvolvimento Social do Estado e secretário-adjunto da Sedes, Gustavo Saldanha, explica que o objetivo do mapa é identificar localização, estrutura e perfil das pessoas abrigadas e suas necessidades.

“Nossa proposta é auxiliar a gestão e orientar as políticas públicas. Demandar o governo federal das reais necessidades e o informar o Unicef para a captação de recursos com parceiros nacionais e internacionais”, conta.

Fonte: O Sul | Foto: Julio Ferreira/PMPA

Escrito por Jornalismo

Rate it

Post anterior

Rio Grande do Sul

Governo federal envia reforço para segurança no Rio Grande do Sul em meio a onda de saques e casos de violência

O número de integrantes das forças federais de segurança no Rio Grande do Sul vai subir para 1.500 a partir da semana que vem, segundo o ministro-chefe da Secom (Secretaria de Comunicação), Paulo Pimenta. A medida, disse Pimenta neste sábado (11), tem como objetivo combater a onda de saques a casas e comércios e também os casos de violência em abrigos em meio à calamidade. A segurança será feita por […]

today12/05/2024 45

Comentários da publicação (0)

Deixe uma resposta

O seu email não vai ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *


Rádio Santa Cruz | Rua Ramiro Barcelos, 737 – Centro | Santa Cruz do Sul – RS / CEP 96810-054

0%