Destaques

Rota de Santa Maria anuncia início de obra para reconectar a RSC-287

today13/05/2024 2885

Fundo
share close

Uma das rodovias mais importantes para ligar o centro do Estado com a região metropolitana é também uma das mais afetadas pelas cheias que castigam o Rio Grande do Sul desde o início do mês. A RSC-287, que no território de Venâncio Aires sofreu quatro grandes fissuras, com buracos que interromperam a passagem por cerca de três quilômetros, está ampliando o tempo de viagem de caminhões e veículos leves em até quatro horas. Até que se resolva os problemas na pista, motoristas fazem um desvio de 40 km por Lajeado e aguardam a liberação de passagem pela ponte da BR 386.

Em busca de uma solução emergencial, a Prefeitura de Venâncio Aires e um grupo de empresários locais se mobilizam. No último sábado, 11, em reunião com a presença de representantes da concessionária Rota de Santa Maria, que administra a rodovia, e Ministério Público, foi apresentado projeto de desvio emergencial na rodovia e um cronograma de obras.

Representantes da empresa do grupo Sacyr destacaram a complexidade dos danos causados na rodovia e o empenho em reestabelecer o caminho o mais rápido possível. “Nossa fonte de receita é o pedágio. Então nós também precisamos dessa rodovia funcionando e com segurança”, destacou o gerente de Meio Ambiente, César Cruvinel. Ele apresentou ao grupo o projeto proposto e já aprovado pelo Estado, de construção de uma via lateral provisória (à direita no sentido Venâncio Aires – Porto Alegre). Devido a espessura da pista e instabilidade do solo, a empresa estima tempo de três a quatro semanas para liberação do desvio. “Já estamos trabalhando em contato com todas as pedreiras possíveis e maquinário para garantir esse atendimento, mas queremos que vocês tenham a consciência que a demanda será enorme”, completou o representante.

O prefeito de Venâncio Aires, Jarbas da Rosa, ressaltou a importância da rodovia para o município e colocou-se à disposição para ajudar no que for necessário para agilizar a obra. Da mesma forma, os empresários presentes se comprometeram a buscar novos fornecedores de máquinas e material para garantir duas frentes concomitantes de trabalho e assim reduzir o tempo de obra.

Jarbas da Rosa lembrou que essa é apenas a solução paliativa para reconectar a rodovia e que é preciso rever o projeto de duplicação antes do conserto definitivo. “Ficou claro com o dano sofrido que novas cheias devem acontecer no local. Está na hora de reavaliar o projeto e debater profundamente a necessidade de pontes secas ou dutos de passagem dessa água”, finalizou.

Escrito por Jornalismo

Rate it

Post anterior

Regional

Centro TEA do Cisvale auxilia famílias em meio à catástrofe climática

O Centro Regional de Referência em Transtornos do Espectro do Autismo (Centro TEA) – Programa Estadual TEAcolhe – do Consórcio Intermunicipal de Serviços do Vale do Rio Pardo (Cisvale) realiza um trabalho especializado de acolhimento aos pacientes com autismo, após a catástrofe climática que gerou a destruição na região. O serviço está disponível junto dos 13 municípios consorciados e tem como objetivo realizar o acolhimento destes pacientes que também sofrem […]

today13/05/2024 30

Comentários da publicação (0)

Deixe uma resposta

O seu email não vai ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *


Rádio Santa Cruz | Rua Ramiro Barcelos, 737 – Centro | Santa Cruz do Sul – RS / CEP 96810-054

Websites: Magicpage

0%